terça-feira, 31 de outubro de 2006

Um conselho...!

Depois de cortarem cebola, nunca coloquem as lentes nos olhos sem antes ter lavado MUITO BEM as mãos com detergente!

*Lena numa das suas aventuras na cozinha e casa-de-banho!

What' tha fuck?

  1. O presidente da Câmara Municipal de Santarém, Moita Flores também é presidente da agência ADBDCommunicare.

  2. Esta agência, em parceria com o Instituto Superior de Línguas e Administração, arrancam, em Novembro, com a quarta edição da pós-graduação em Comunicação Estratégica e Assessoria Mediática.

  3. Rui Hortelão, subdirector do Correio da Manhã, e Luís Filipe Carvalho, da Ordem dos Advogados, são os pivôs deste curso, que vai ser dirigido pelo autarca.

Sousa Tavares

A história reza assim:

Miguel Sousa Tavares é acusado de plágio a 20 de Outubro, por um bloguer anónimo, alegando que o jornalista/escritor copiou parágrafos inteiros de Cette Nuit la Liberté de Dominique Lapierre e Larry Collins, no seu livro Equador. O blogue em questão apresentava quatro exemplos de "pérolas de exploração de trabalho alheio".

Miguel Sousa Tavares entregou queixa na Polícia Judiciária, por difamação e violação de direito moral de autor contra desconhecidos, após acusações de plágio no livro Equador. Entretanto escreveu um artigo de opinião em que não trata nada bem o mundo bloguístico!

O blogue aparece agora renovado ou mudado... quase como um blogue em homenagem a Tavares. Estranho não?

Tarrafal

Vale a pena ler esta fabulosa reportagem sobre o Tarrafal, feito pelo meu antigo colega de curso, Silvino Évora.

segunda-feira, 30 de outubro de 2006

Ainda os animais

Partiram duas patas ao pequeno Ivo!

Estava abandonado numa obra onde foi brutalmente maltratado por uns homens. Maltratado ao ponto de lhe partirem duas pernas (uma da frente e outra de trás). Já imobilizado, foi agarrado por uma orelha e atirado para um monte... onde aí ficava se não tivesse sido imediatamente socorrido. Tem apenas dois ou três meses e demos-lhe o nome de Ivo.

Neste momento está em recuperação das duas patinhas. É um cachorrinho para crescer para um porte médio/grande. É muito meigo e carente. Precisa tanto de um dono, de alguém que possa pôr de lado o preconceito de adoptar um cão com uma deficiência nas patas (ficará sempre com as patinhas que partiu um pouco mais curtas), porque, apesar de especial, é um cãozinho como os outros, a precisar de uma oportunidade de saber o que é uma casa, uma família só para ele, que o faça esquecer todo o mal que a sua curta vida já lhe reservou.

Está perto da cidade do Porto, já foi desparasitado e em breve será vacinado.

Contacto: geral@refugiodaspatinhas.org

Suicídio global

As emissões de gases com efeito de estufa estão a aumentar no planeta, apesar dos esforços requeridos no Protocolo de Quioto para reduzir e parar o aquecimento global, segundo constata um relatório da ONU. As emissões de dióxido de carbono e outros gases que provocam calor diminuiram nos anos 90 depois do colapso do bloco soviético e do encerramento de fábricas poluentes no leste da Europa. Mas entre 2000 e 2004 as emissões aumentaram 2,4% vindas de 41 países industrializados. O que significa que a diminuição dos gases com efeito de estufa está dependente das políticas ambientais destes países, dos quais os Estados Unidos é o maior poluidor.

Destes 41 países, 35 comprometeram-se a diminuir os níveis de emissao dos anos 90 em 5% até 2012. Os Estados Unidos rejeitaram este compromisso apesar de serem o principal poluidor mundial, com dois quintos dos gases com efeito de estufa em todo o planeta! Portugal, segundo um relatório da Comissão Europeia, é um dos sete estados-membros que poderá não conseguir cumprir as metas de Quioto, mesmo com medidas suplementares. Para além de Portugal, também a Espanha, França, Bélgica e Dinamarca não esperam atingir os objectivos de Quioto.

Caso não sejam tomadas medidas radicais nos próximos dez anos, o aquecimento global, resultante desta não diminuição da poluição, pode custar 5,5 biliões de euros à economia global, um custo comparável ao das duas guerras mundiais. Como consequência deste aquecimento global, irá aumentar a falta de água, o risco de inundações, ondas de calor e fogos florestais.

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, depois de ouvir estas notícias alarmantes, apelou à acção imediata e mundial para combater estas alterações, alertando para as consequências irreversíveis que irá provocar. E sublinhou que este tipo de decisões devem ser tomadas a nível mundial, até porque só assim terão um efeito positivo e eficaz. "Não há dúvida de que as consequências para o nosso planeta serão literalmente desastrosas num futuro próximo. Não há nada tão grave, nem tão urgente, nem que exija mais decisões", advertiu Blair.

Aconselho vivamente a leitura desta notícia no Público online! É um cenário demasiado preocupante aquele que está a surgir, e o mais alarmante são as atitudes de passividade colossal dos líderes mundiais que mais culpa têm neste caso. O lema mundial não parece ser vamos viver, mas sim, vamos matar o planeta para consequentemente também nós morrermos!Oh yeah!


O salvador Al Gore

O Governo britânico anunciou que escolheu o ex-vice-presidente norte-americano, Al Gore, como conselheiro da luta contra as mudanças climatéricas, que Londres pretende liderar a nível mundial. Gore foi vice-presidente na administração de Bill Clinton e foi o candidato democrata nas eleições para 2000, tendo perdido para George W. Bush, no meio de uma controvérsia devido ao número de votos. Converteu-se recentemente no salvador do ambiente e no líder no combate às alterações climatéricas e aquecimento global e lançou este ano o filme sobre este tema, denominado de "Uma Verdade Inconveniente".

O governo britânico pretende com esta escolha vnecer este problema e ganhar aliados num país que se recusa a cumprir as metas do Protocolo de Quioto, sendo no entanto, o principal país a produzir gases com efeito de estufa.

domingo, 29 de outubro de 2006

O olhar


« Olha no fundo dos olhos de um animal e, por um momento, troca de lugar com ele. A vida dele vai tornar-se tão preciosa como a tua e tu irás sentir-te tão vulnerável como ele. Agora sorri, se acreditas que todos os animais merecem o nosso respeito, a nossa protecção, porque em determinado ponto eles são nós e nós somos eles. »
Philip Ochoa

sexta-feira, 27 de outubro de 2006

Treze razões para isto

O blogue espanhol Guerra y Paz publicou uma lista de treze razões que podem levar um estudante de Jornalismo a ter um blogue. Elas são:

1. O blog é o seu próprio meio de comunicação. As práticas no meio podem ser as melhores maneiras de contactar com a realidade jornalística, obter uma rotina de trabalho e uma autodisciplina;

2. É o melhor currículo que existe, pois é a melhor forma de demonstrar quanto valemos;

3. És o teu próprio chefe e és tu que marcas os teus limites. Podes aprofundar um determinado tema e tornares-te especialista nele;

4. No blog podes colocar todos os trabalhos que não foram aceites pelos teus professores, todos aqueles que não foram valorizados o suficiente;

5. Podes publicar aquilo que te apetecer, inclusivamente um assunto em que te sentes mais à vontade, porque podes partilhar essa informação com outros menos especialistas nessa matéria;

6. Os leitores podem corrigir-te, e vais aprender a desenvolver as tuas opiniões e a responder perante elas quando os teus leitores o solicitarem;

7. Todos os formatos são passíveis de serem publicados: videos, gravações de audio, fotografias, etc.

8. Com a Internet todos temos as mesmas oportunidades;

9. Graças ao blog podemos conhecer pessoas com as mesmas preocupações, o que nos permite alargar o nosso universo e conhecer pessoas diferentes;

10. Não vais escrever a história mas sim participar nela;

11. Vais te adaptar à forma de trabalho que terás no futuro;

12. Os leitores vão te corrigir quando for necessário e impelir-te a melhorares quando isso for necessário;

13. É tudo grátis!

quinta-feira, 26 de outubro de 2006

O morto mais rentável

De acordo com o ranking das figuras mais ricas e rentáveis do mundo que a revista Forbes anualmente publica, Kurt Cobain domina a lista dos defuntos mais lucrativos. O ex-líder dos Nirvana falecido a 8 de Abril de 1994, rende 50 milhões de dólares anualmente, ou seja, cerca de 40 milhões de euros. Valor esse que destronou o tradicional líder da tabela, o rei do rock'n'roll, Elvis Presley, que este ano se ficou pelos 33,3 milhões de euros.

Os lucros de Kurt Cobain beneficiam directamente a sua ex-mulher, Courtney Love! Aliás, Kurt subiu ao primeiro lugar desta tabela porque a vocalista dos Hole vendeu 25% dos direitos de canções dos Nirvana, que lhe garantiu 50 milhões de dólares. Este negócio foi efectuado com a firma Primary Wave, que poderá vender os direitos das músicas a séries como "Sete Palmos de Terra". E se pensarmos que este valor corresponde apenas a 1/4 da totalidade dos direitos de Cobain, poderemos imaginar quanto vale o espólio deixado pelo menino nascido a 20 de Fevereiro de 1967. Ainda neste período os Nirvana venderam 1,1 milhões de cd's.

E imagine-se: Dave Grohl e Krist Novoselic, os outros membros da banda, apenas detêm 2% dos direitos sobre o material dos Nirvana. Será que não seriam eles os merecedores da maior maquia dos direitos de autor? A mim parece-me absurdo que as coisas se processem desta forma... afinal a única herdeira dele seria a filha e não a ex-mulher, a pessoa de quem ele se queria divorciar meses antes de ter sido assassinado, ou como todos acreditam, se ter suicidado depois de ter tido uma overdose!

Os músicos dominam a lista dos treze defuntos mais rentáveis entre os meses de Outubro de 2005 e 2006, onde também figuram personalidades como Albert Einstein em 5º lugar com 16 milhões de dólares, Andy Wharol logo de seguida com 15 dólares, J.R.R. Tolkien em 11º lugar com 5,5 milhões de dólares, entre outros.

Segundo a mais recente revista portuguesa, SOL, Kurt Cobain é o "rei do grunge". Ora, ele não foi o rei, mas sim o criador e automaticamente o rei sim, mas a palavra rei nunca é usada com Cobain, mas sim com Presley. E não queremos confusões!

domingo, 22 de outubro de 2006

A new life

Tenho andado um pouco ausente, o que é perfeitamente justificável pelo ínicio de uma nova etapa que se aproxima. Amanhã começo o estágio... não sei se vou ter tempo de continuar a escrever aqui! Logo se verá... prometo que ao fim-de-semana "posto" qualquer coisa, nem que seja para contar as minhas desventuras e as idiotices que disse a alguém no Porto.

Wish me luck!

P.S.: E quando forem ao Norte, apitem!

quarta-feira, 18 de outubro de 2006

Mais dois jornais gratuitos em Portugal


Já Agora e Um são os nomes dos dois jornais gratuitos que vão começar a ser distribuídos esta semana em Portugal. São quinzenais e terão uma tiragem inicial de 12 e 20 mil exemplares, respectivamente.

O Já Agora vai privilegiar a informação sobre a Covilhã e irá ser o primeiro gratuito a circular na região. Vai estar disponível em vários locais da cidade, além de também ser entregue por correio. É editado pela empresa SurpriseBox Comunicação, e tem como objectivo aprofundar a informação sobre a cidade e para a cidade.

O Um é uma nova publicação de música que tem como director um antigo jornalista do (tenho uma dúvida: deverei escrever do Blitz porque ele trabalhou enquanto era um jornal, ou da Blitz por agora ser uma revista!?) Blitz, Jorge Manuel Lopes. Segundo Lopes, este jornal "pode entrar por outras áreas como faz o Village People (americano), tratando temas do espectáculo à educação". É um projecto independente que vai ser assegurado desde a cidade do Porto, e que pretende trabalhar as matérias com o espaço de texto que merecem: deseja "ser um jornal de textos e não de caixinhas." Nesta fase inicial vai ser distribuído apenas nas lojas da especialidade.

Entretanto o também jornal gratuito Metro alargou a sua distribuição esta semana e chegou a Braga e Coimbra segundo noticiava o Jornal de Notícias na edição de hoje. Mas não terá (ainda) notícias sobre estas duas cidades, apenas excepcionalmente quando a informação o exigir. A secção local será substituída por temas nacionais, até porque as notícias continuarão a ser produzidas a partir de Lisboa. O jornal Destak seguiu-lhe as pisadas e ontem anunciou também o seu alargamento a Braga e Coimbra.

A ver vamos se a sociedade se interessa mais pela actualidade e se a compra de jornais não gratuitos não diminuiu com todas estas borlas. De qualquer forma apoio totalmente estas iniciativas porque muitas pessoas irão adquirir o hábito de se informar diariamente, o que é muito positivo! E talvez um dia, na ausência do gratuito não se vejam impelidos a comprar um diário na esperança de matar a curiosidade habitual que os poderá vir a assolar em cada manhã!

La Féria em maus lençóis?


A apresentação de uma queixa por plágio feita por Felipe la Féria contra a RTP, devido ao programa A canção da minha vida, teve um desfecho favorável à estação pública. O tribunal considerou que as queixas apresentadas por La Féria não tinham qualquer fundamento, e agora é a RTP que pondera a hipótese de processar o encenador devido aos danos à imagem provocados.

Este imbróglio ocorreu em finais de Julho, tal como este blog noticiou, e baseou-se numa providência cautelar que o encenador interpôs à RTP, acusando a estação pública de plágio por o título do formato do programa Música no Coração ser semelhante a uma proposta que teria feito para um programa a realizar por várias fases. Segundo a proposta ele pretendia escolher os jovens que estariam agora a participar no musical no Politeama, Música no coração. A RTP viu-se obrigada a mudar o nome do programa num curto espaço de algumas horas, para A canção da minha vida.

Na época a informação que surgiu nos media portugueses é que La Féria tinha interposto uma providência cautelar à RTP e lhe tinha sido dada razão, o que pelos vistos é mentira... e por duas vezes. Mentira porque na altura o caso ainda não estava resolvido pelos tribunais, e mentira uma segunda vez porque os tribunais deram razão à RTP e não ao encenador, contrariamente ao noticiado à uns meses atrás.

Caso para dizer: "La Féria devias ter estado caladinho..."

quinta-feira, 12 de outubro de 2006

Justiça irrelevante



Saiu hoje um artigo interessante na Visão, que me tocou a sensibilidade porque é um assunto demasiado grave para não ser levado a sério. A grande reportagem tem como objectivo contar como estão hoje os visados pelo Processo Casa Pia, tanto os acusados como as vítimas. Interessante e que aconselho vivamente a ler! No entanto há uns pontos que gostava de apontar aqui como sendo para mim essenciais, que resumem uma parte da reportagem e que me fizeram pensar e sentir o meu coração bater. Afinal sou humana e estes "monstros" metem-me nojo e não tenho qualquer razão para o esconder! Assim sendo:

  1. Não acredito que as crianças e jovens estejam a mentir sobre os actos de violência a que foram sujeitos, e por isso, apesar de não poder dizer isto como jornalista (mas como também ainda não o sou, acho que o posso fazer), não duvido da culpa dos arguidos deste processo. A justiça portuguesa já chamou mentirosos a algumas vítimas, ao ilibar o deputado do PS, Paulo Pedroso, o arqueólogo Francisco Alves, e o apresentador Herman José. Pedroso rejeitou o mandato de deputado e vive actualmente em Bucareste, onde apoia o Ministério romeno do Trabalho e Segurança Social.
  2. São 32 as vítimas do Processo Casa Pia. Todas estão a mentir, é o que os advogados de defesa dos acusados indiciam, e a justiça portuguesa vai pressupor no final deste imbróglio. Não tenho grandes dúvidas que ninguém vai ser condenado, a não ser Carlos Silvino, e de que todos os outros vão sair em liberdade, pedindo posteriormente uma indemnização a estes jovens com um passado que os persegue e sem futuro à vista!
  3. O ex-apresentador Carlos Cruz apareceu aos olhos do mundo em 2003 num telejornal qualquer da SIC, a defender que não viveria em Portugal se houvesse uma pessoa que duvidasse da sua inocência. Pois eu não acredito em lágrimas que saem de uns olhos que não se assemelham a nada que seja sincero! E é apenas no ponto de tentar desculpar o apresentador Cruz, de contar como a sua vida se transformou num inferno que peca a reportagem da Visão. Também eu gostava dele, também eu fiquei chocada com a notícia (lembro-me bem de quem me deu a novidade do momento e em que circunstâncias, o que significa que foi de facto algo marcante), e durante muito tempo não quis acreditar. Mas pensem um pouco, se de facto ele não fosse culpado (pressupondo então que meia dúzia de crianças estavam a mentir), não havia razão para fazer uma tamanha campanha mediática da sua inocência, como aquela que foi feita! Até a filha de poucos meses envolveu... pois para mim, todo o amor e respeito e até admiração se desvaneceu e estimo bem que ele fique na pobreza já que não pode ir para a prisão, pela justiça inerte que nós temos! Carlos Cruz foi acusado de 5 crimes de abuso sexual de crianças e 1 de acto homossexual com adolescente!
  4. Ainda relacionado com Carlos Cruz: o inspector chefe que coordenou a detenção de Cruz, Dias André, quando este tentava fugir do país (não duvidam que ele ia fugir pois não?) foi despejado posteriormente para um departamento menor da PJ sem razão aparente. Entretanto já se reformou e vive actualmente numa casa rodeada de grades, com apertada segurança.
  5. Jorge Ritto felizmente que é um ex-embaixador condenado ao fracasso porque "O período de nojo do MNE em relação a ele vai ser muito prolongado!" É encarado como um homem cada vez mais só. Porque será? Acusado de 7 crimes de abuso sexual de crianças e 2 de lenocídio (favorecimento à prostituição).
  6. Ferreira Diniz era um médico de gente famosa e possuia uma elegante clínica que entretanto fechou. Viu-se forçado a vender o seu mediático Ferrari vermelho e já abriu uma nova clínica em Belém onde recebe 60 doentes por semana, das seis da tarde até à meia-noite. Pronunciado por 18 crimes de abuso sexual de crianças.
  7. Manuel Abrantes fora acusado pelo Ministério Público de ser o cabecilha desta rede pedófila, e foi provedor adjunto da Casa Pia de Lisboa durante 5 anos. Clama por vingança! Foi acusado de 43 crimes de abuso sexual de pessoa internada, 5 de abuso sexual de crianças, 2 de lenocídio e 1 de peculato de uso.
  8. Hugo Marçal pretende rumar ao estrangeiro, mais concretamente para Espanha, caso seja absolvido. Acabou de se doutorar numa universidade em Badajoz. Pronunciado por 14 crimes de abuso sexual de crianças e 19 de lenocídio.
  9. Carlos Silvino foi o último dos arguidos a ser libertado e o primeiro a ser detido. Está com defesa pessoal permanente dada por 3 elementos do Corpo de Segurança Pessoal da PSP, devido às alegadas ameaças de que já foi alvo. Confessou quase 500 crimes e está acusado de 273 crimes de abuso sexual de crianças, 170 de abuso de pessoa internada, um de violação e outro de peculato.
  10. Gertrudes Nunes é a proprietária da casa em Elvas onde alegadamente se cometiam os actos de pedofilia. Está acusada de 35 crimes de lenocídio.
  11. E as crianças que foram abusadas, hoje jovens e alguns adultos, como é que essas estão? Como estão as suas lembranças? Os seus traumas? Ninguém se importa com eles, não sei até que ponto lhes é prestado auxílio psicológio e segurança pessoal. Não sei e não consigo imaginar alguém da minha idade que já tenha vivido "tanto" na vida. Não sei até que ponto conseguirá ter uma vida normal, sobretudo quando tudo aponta para a não veracidade das suas histórias, e os violadores é que a têm! Não consigo aceitar isto, não consigo resignar-me a tanto sofrimento sem demonstrar o meu nojo por todos estes violadores! Não tenho dúvidas que o sejam. Não vejo qualquer razão para jovens com as vidas terminadas, inventarem mentiras desta ordem! Sinto nojo, muito nojo mesmo quando olho para as imagens destes que se auto-proclamam inocentes e vítimas de uma cabala. Haja paciência!

quarta-feira, 11 de outubro de 2006

Os Grandes Portugueses


Quem é o maior português de sempre?

É supostamente para responder a esta pergunta que surgiu um novo programa na RTP, Os Grandes Portugueses, que deseja eleger o português que mais influenciou as nossas vidas. Maria Elisa será a apresentadora ou pelo menos é ela quem dá a cara pela campanha publicitária que já se espalhou pelo país. Este programa teve origem num similar produzido pela BBC.

Na Internet já existe uma página com a lista de portugueses que lutam pela disputa do prémio de "melhor"! Podemos acrescentar mais uns nomes, ou votar naqueles que já fazem parte da lista. Estranhamente e á primeira vista um nome ressalta: António de Oliveira Salazar. Fiquei sem entender a razão de tal inclusão. Tal como também Cavaco Silva está incluído... e comento o que sempre digo relativamente a este senhor: Que memória curta que os portugueses tem! Até o Durão Barroso lá está a sorrir para nós, decerto contente por todos os seus "planos" terem dado certo muito à custa da inércia da grande generalidade dos portugueses. Começo a aceitar a futura inclusão do ex-primeiro-ministro, Santana Lopes e do Presidente (há longas décadas) do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim. Mais dia menos dia, eles aparecem! É caso para dizer que também devia ser feito um program denominado: "Os piores Portugueses de Sempre!"

No entanto também eu quis escolher alguém, mas estou cheia de dúvidas: Álvaro Cunhal (não, não sou comunista, mas acho que não é preciso sê-lo para se admirar este Senhor), Ana de Castro Osório (ou não fosse mulher...!), Aristides de Sousa Mendes (pela humanidade), Catarina Eufémia (pela coragem!), Luís Figo (por ser o melhor de sempre..) e Salgueiro Maia( pela coragem, garra, perseverança e liberdade que nos proporcionou). Fiquei 15 minutos a olhar para estes nomes, e apesar de estar muito em dúvida e de considerar que vou votar em mais do que um nome, o meu eleito é Salgueiro Maia, um pouco por culpa da influência do meu pai. Mas a verdade é que ele foi um grande Senhor e merece este título! Não descurando dos outros, e não esquecendo aquilo que foram e ainda são: um verdadeiro exemplo de coragem, verdade, liberdade e força!

Sobretudo aplaudo esta iniciativa pois parece-me importante para mim, e ainda mais importante para os portugueses mais novos do que eu, conhecer todas estas personalidades que construiram, cada um à sua maneira, o meu país! Conhecer os seus feitos, a razão por serem tão aclamados, e também para nos mostrar, sobretudo em momentos de pessimismo nacional, que já houve pessoas que sempre acreditaram e que lutaram pelo que desejavam, mesmo que a morte tenha sido a consequência de tal valentia. Até 31 de Outubro está aberta a nomeação, ou seja, quem achar que a lista está incompleta (porque está!) pode mandar sms, telefonar ou simplesmente aceder ao site oficial de "Os Grandes Portugueses" e nomear a personalidade que mais contribuiu para a grandeza de Portugal. Numa segunda fase, irão ser selecionados 10 portugueses, e finalmente numa terceira fase, numa Gala Final e após um debate, os portugueses irão eleger o melhor de entre os 10 candidatos.

segunda-feira, 9 de outubro de 2006

Uma corajosa


A premiada jornalista russa Anna Politkovskaya foi encontrada morta a tiro na tarde de sábado, dia 7 de Outubro, no elevador do prédio onde residia, em Moscovo, havendo suspeitas policiais de que se tratou de um homicídio relacionado com a sua profissão.

Anna Politkovskaya já havia sofrido anteriormente ataques ligados ao exercício do jornalismo, nomeadamente um envenenamento quando se tentava deslocar a Beslan para acompanhar o sequestro de crianças, em Setembro de 2004. Entre os ataques ou pressões sofridos por parte de Anna, contam-se ainda uma detenção durante três dias em 2001, quando foi acusada por agentes de segurança por não possuir acreditação para entrar na Chechénia. À data, a jornalista foi colocada num buraco sem água ou alimentos e sob constante ameaça de morte. No ano seguinte, de regresso à Chechénia para investigar denúncias de abusos sobre civis, foi detida numa base militar durante uma noite e de novo ameaçada de morte. A jornalista chegou a estar refugiada em Viena, em 2001, devido a ameaças por parte de um polícia que ela acusara de abusos contra civis e há poucos meses a sua filha foi atacada enquanto conduzia, tudo indicando que se tratava de uma forma de intimidar a mãe.

A repórter de 48 anos nasceu em Nova Iorque, é filha de pais ucranianos que trabalhavam na ONU, e estudou jornalismo na Universidade Estatal de Moscovo. Fez carreira como jornalista de investigação e, no âmbito da cobertura crítica da guerra na Chechénia, escreveu sobre assassínios, torturas e espancamentos de civis pelas forças russas, recebendo vários galardões de jornalismo.

Da lista de distinções fazem parte a Caneta de Ouro, da União de Jornalistas da Rússia (2001), o Prémio Coragem no Jornalismo, pela International Women’s Media Foundation (2002), o Prémio do Pen Club International, o Lettre Ulysses para a Arte da Reportagem e o Prémio Jornalismo e Democracia, da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (os três em 2003), e o Prémio para a Liberdade e o Futuro dos Média, atribuído pela Fundação de Média do banco alemão Sparkasse Leipzig (2005).


A repórter, que é também autora de livros como “Chechénia: a desonra russa”, em que apresenta provas dos abusos cometidos pelas forças governamentais sobre a população civil, ou o recente “A Rússia de Putin”, trabalhava actualmente para o jornal “Novaya Gazeta”. Anna estava a preparar uma reportagem para sair hoje no jornal onde trabalhava, sobre a tortura na Chéchénia, juntamente com imagens

A morte de Anna Politkovskaya foi já condenada pela Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), a Repórteres Sem Fronteiras (RSF), o Comité para a Protecção dos Jornalistas (CPJ) e a Associação Mundial de Jornais (WAN). Para a FIJ, o homicídio da jornalista reflecte o estado de “desgoverno” que ameaça o jornalismo russo, sendo imprescindível descobrir quem matoue quem mandou matar – Anna Politkovskaya, cuja coragem e profissionalismo “inspiravam” jornalistas em todo o mundo. Por seu lado, o CPJ realçou que, desde 1992, a Rússia assistiu ao assassinato de 42 jornalistas, tendo a maioria dos crimes ficado impunes.

Os Russos e chechenos lamentam a morte da jornalista e crítica do presidente Putin, defendendo que a sua morte está relacionada com questões políticas e ameaça a liberdade de imprensa. Os Estados Unidos declararam estar "profundamente chocados e tristes" com a morte desta jornalista que deixou dois filhos e que sempre demonstrou uma coragem invejável e inabalável por qualquer motivo. A União Europeia e Washington exigiram a Moscovo que conduza as investigações imediatamente para se descobrir o(s) responsável(eis) pela morte desta mulher. Vladimire Putin não proferiu qualquer declaração sobre o assassinato de Anna.

Da minha parte lamento o sucedido e invejo a coragem desta mulher! Tenho a certeza de que ela nunca pensou em morrer de outra forma!

Um rasganço


No Sábado foi o rasganço da Joana! Poderia não mencionar isso mas acho que ela merece que o faça. Há 7 anos que é uma pessoa bastante importante para mim, e por isso todos os grandes acontecimentos da vida dela transformam-se em importantes acontecimentos também para mim. Só me apercebi do significado a meio do jantar, com cantigas e cantorias, barulhos e copos cheios e vazios, garrafas e muita alegria! Começamos a relembrar quando nos conhecemos, através de quem, e "se isto não tivesse acontecido não nos tinhamos conhecido", momentos melancólicos. 7 anos! E já passamos por tantas coisas juntas, tantas histórias engraçadas e que nunca vão ser esquecidas...

Mas um rasganço significa sempre mais que um rasgar de panos! Significa neste caso que vou deixar de a ver tantas vezes como gostaria, apesar de já estar habituada por ela ter estado o ano passado na Finlândia. Significa que apenas a vou ver nos meus anos (obrigatório!), no Natal e quem sabe, no Verão. O msn é uma coisa fabulosa que nos permite ir matando as saudades por entre teclas e um ecrã... mas que às vezes significam tão pouco! É tão melhor bebericar um café no Tropical ou no Tagv com a minha amiga presencial, Joana.

Também foi um dia muito feliz por este significar o final de um ciclo para uma amiga, e que me fez pensar no final do meu "ciclo" que está tão perto! E ainda significa que ela ficou "decentemente" rasgada, nada como um rasganço a que fui o ano passado e que me traumatizou! O que significa que houve uma evolução e já não estou a pensar em não fazer. Porque durante uma época acho que era totalmente anti-o-meu-rasganço! A ver vamos...

Força Joana!!
(Espero que não me matem por ter colocado aqui a fotografia, mas como dizia a Tânia, "até ficamos agradáveis!", muito por culpa do fotógrafo David :p)

quarta-feira, 4 de outubro de 2006

Uma história com final feliz...!


Esta é a Clarinha e foi encontrada na rua! Tinha feito o meu último exame da epóca normal, o relógio marcava as 17 horas e o cansaço era visivel em mim. Á porta da Faculdade de Letras conversava com uma colega e faziamos planos para as férias, quando vejo ao longe uma cadela com um olhar simpático e um corpo magro pela ausência de uma alimentação equilibrada e farta. Vem ter comigo sem eu lhe ter dado um olhar de simpatia, lambe-me as mãos, abana imenso o rabo e fico "apaixonada". Algo me tocou cá dentro como uma daquelas ideias que não sabemos de onde veio e não nos deixa percepcionar os perigos que o seu cumprimento pode trazer. Reparei que era uma cadela, que estava bastante suja e que tinha carraças... e decidi sem pensar duas vezes e sem medir as consequências da minha ideia, que estava ali algo que podia "fazer" nas férias: procurar um dono para aquele animal perdido!

Fui contra a minha amiga que me tentou dissuadir por ter a noção exacta da realidade e por saber que a adopção, ainda que precária, me iria trazer problemas. Mas tenho a certeza que se não tivesse trazido a cadela para casa não ia conseguir dormir nessa noite. Porque? Não sei, mas algo nela foi demasiado forte para a deixar para trás. Obviamente que não foi o primeiro animal abandonado que tinha visto na rua, tantos outros já tinham despertado em mim o sentimento de pena e compaixão e vontade de os acolher, mas aquela cadela tinha algo de especial que fez ressaltar toda a "coragem" que deve existir em mim.

Em casa obviamente que os meus pais não gostaram da ideia, os problemas e discussões surgiram de forma persistente e assombrosa, e impuseram-me um limite para a adopção: ao fim de quinze dias ou alguém a acolhia ou ela ia para o canil. Procurei, procurei, coloquei anúncios, perguntei, enviei emails, desesperei, torci, mas ao fim de quinze dias não tinha conseguido ninguém. Nem as instituições de acolhimento de animais abandonados tinham espaço para a acolher porque estavam completamente cheias: estavamos em ínicios de Julho, a época alta do abandono de animais.

No 16º ou 17º dia em que ela estava cá em casa (o meu pai deixou de contar os dias felizmente e na verdade brincava com a cadela às escondidas... somos pai e filha, também não podemos ser assim tão diferentes), estava a falar com um amigo com quem não falava à imenso tempo, e entre perguntar pelas novidades surgiu a pergunta desesperada: "Queres uma cadela, ou conheces alguém que queira?" Expliquei-lhe a situação, ele disse que temporariamente a mãe não se ia importar de ficar com ela, e assim aconteceu, para grande regozijo meu. Mas esta história tem um final ainda melhor do que o esperado: eles não ficaram com a Clarinha temporariamente mas sim eternamente! Como ela é uma cadela amorosa, energética a 100 % (tudo aquilo que possam imaginar num cão energético, subtraiam por 1000 e aí está o nível de energia da Clarinha!), e que irradia amor e carinho nas 24 horas do dia, e também porque é linda, eles decidiram ficar com ela para sempre.

Não conseguia imaginar ir entregá-la ao canil depois de me ter afeiçoado tanto a ela, depois de lhe ter garantido que ia arranjar alguém para tratar dela... mas consegui! E, apesar de todas as chatices que este acto me possa ter trazido, se fosse hoje faria da mesma forma! Quando vejo um animal na rua ninguém imagina o desejo enorme que me assalta de o trazer para casa, mas a consciência de que é um acto louco e de que não ia conseguir encontrar um dono, faz-me ficar quieta e nem sequer lhe fazer uma carícia. Prefiro não lhes tocar e nem olhar para eles, para que o sentimento de compaixão não me assole como naquele mês de Julho. Sei que é cínico e arrogante da minha parte, mas é a minha forma de me defender desta situação.

Já não vejo a Clarinha há uns meses mas acredito que ela esteja bem. Meses depois de a ter entregue à sua família de acolhimento fui visitá-la, e acreditem que ela ainda se lembrava de mim, tamanha foi a alegria dela e agradecimento pelo que fiz. Obviamente que não foi ela que me disse tudo isto, mas só quem nunca teve animais é que julga que eles não conseguem falar de outras formas que não a verbal.

Hoje é o Dia Mundial do Animal, e custa-me pensar que há milhões de cães como a Clarinha: abandonados por alguém que eles amam, respeitam e por quem dariam a sua própria vida. Há um cliché em que muitos não acreditam, que dita que os animais são o nosso melhor amigo. Pelas histórias que já tenho, pelas memórias, por tudo o que já me aconteceu, não tenho a menor dúvida de que essa é a maior das realidades. E por isso neste dia dedicado aos meus melhores amigos, uso este espaço público para tentar incutir alguma responsabilidade e regras nas pessoas. Não abandonem os animais!! Não há qualquer razão lógica para o fazerem... e como humanos e seres racionais não temos nenhuma desculpa ou razão para cooperarmos numa tamanha crueldade. E mais, lanço também um apelo para que quando pensarem em comprar um cão de uma raça X ou Y, pensem na quantidade enorme de animais que estão nos canis ou nas inúmeras associaçoes de acolhimento existentes no nosso país. Tantos animais à espera de serem amados, e vamos dar dinheiro apenas porque gostamos da raça... a mim não me soa a algo com lógica! E acho que a maioria das pessoas sabe a paixão que tenho pelos pastores alemães, mas nunca na vida iria comprar um, sabendo que um rafeiro qualquer, ou até mesmo um pastor alemão, estava à espera de amor, de uma casa e de um dono, num qualquer local.

Vamos ser humanos nem que seja por uma vez na vida!

terça-feira, 3 de outubro de 2006

Nãããoooo!!

Eu até tinha acordado bem disposta, o dia apesar de cinzento até almejava ser positivo, mas esta notícia estragou tudo. Por ser mau demais para ser real, confirmei uma e outra vez mas ao que tudo indica é mesmo verdade! E como o seu afastamento tinha sido aceite de tão bom grado pela minha pessoa, e acredito que por mais uns quantos portugueses, só me apetece cortar os pulsos por haver a possibilidade de um dia ligar o rádio e ouvir a sua voz irritante! Que má ideia, TSF...!

Era óbvio que ele não se ia afastar da política, até porque não sabe fazer mais nada a não ser politicar, ou seja, falar, falar, falar e não fazer nada! Mas em mim subsiste sempre aquela esperança que arranjem qualquer coisa idiota para fazer... esperança que também senti nos 10 anos que Cavaco Silva esteve afastado da vida política, mediática e de toda a minha vida! Em vão...

O Santana Lopes não demorou 10 anos a descansar da vida agitada e cansativa que a política exige, mas podia entreter-se com alguma coisa mais insignificante que não fosse melgar-nos o pensamento com a sua voz e as suas ideias sem nexo! Haja paciência...!

Novo ilibado no Apito Dourado



Mais um caso arquivado:

"O Ministério Público (MP) da Covilhã arquivou o inquérito extraído do processo Apito Dourado referente a indícios de corrupção desportiva em torno do jogo Sp. Covilhã-FC Marco, da II Liga. Ilibados ficaram Avelino Ferreira Torres, António Araújo, Mário Reis, Pedro Sanhudo e João Vilas Boas, o árbitro daquela partida, vencida pela equipa do Marco de Canaveses.

Em causa neste processo estavam escutas telefónicas entre o empresário António Araújo e o treinador do FC Marco, Mário Reis, cujo teor sugeria a intervenção do agente de jogadores junto do árbitro da partida. Para tal, Araújo pretendia que tal ajuda fosse pedida pelo então presidente da Câmara do Marco de Canavezes, para quem já tinha efectuado alguns "serviços". "Ele [Ferreira Torres] sabe muito bem o que é que eu já lhe fiz!", disse o empresário a Mário Reis, sublinhando que o contacto com o juiz da partida não poderia ser "com conversa". "Porque de conversa, está o mundo cheio", acrescentou.

Depois, António Araújo tentou contactar Avelino Ferreira Torres e chegou a dizer a Mário Reis que iria almoçar o com o "homem". O procurador do MP de Gondomar, Carlos Teixeira, interpretou a conversa no sentido de que Araújo iria pedir a Torres dinheiro para pagar ao árbitro da partida.

Mas, das escutas percebe-se que, pelo menos naqueles dias, o contacto com o ex-autarca do Marco nunca terá acontecido. Aliás, Araújo e Reis reconheceram a extrema dificuldade em falar com Torres por telefone. Daí, o empresário ter insistido com o treinador para que falasse com o presidente do clube, Jorge Sousa, a quem terão apelidado de "bolsos rotos". Segundo uma conversa telefónica, o objectivo é arranjar o "resto".

Apesar da dificuldade em encontrar Ferreira Torres para concretizar o "negócio", Araújo disse que isso não seria motivo para deixar de ajudar o técnico amigo. "Ouça! Se ele não estiver comigo, você conte comigo para acabar a obra! Os amigos são para estas coisas, está bem?", disse.

Para o MP da Covilhã, estes indícios são, porém, insuficientes para sustentar a acusação. Por duas razões. Primeiro porque nunca ficou provado qualquer contacto de Araújo com o árbitro principal, João Vilas Boas. A única conversa suspeita aconteceu entre um dos árbitros assistentes, Serafim Nogueira, com o árbitro e amigo de Avelino, Pedro Sanhudo, a perguntar se o Marco precisaria de "ajuda". Sanhudo sugeriu-lhe falar com o "sheriff" Ferreira Torres, o que não se sabe se chegou a acontecer. Segundo porque, inquirido no MP local, os dirigentes do Sporting da Covilhã assumiram que a derrota foi justa e o jogo não teve casos.

No despacho final do Apito Dourado, Ferreira Torres foi alvo de mais duas certidões extraídas para os serviços do MP do Marco de Canaveses e de Paços de Ferreira (ver caixa). Carlos Teixeira entendeu, por outro lado, que deveria arquivar duas situações apuradas durante a investigação da Polícia Judiciária. Uma está relacionada com o jogo FC Marco-FC Maia, da época 2003/2004, da II Liga, enquanto a segunda refere-se ao jogo Regilde-Amarante, disputado a 23 de Novembro de 2003, para a Divisão de Honra da AF do Porto.

Em ambos os casos sob suspeita estavam conversas com Pedro Sanhudo e referências a pedidos de favorecimento a outros dirigentes e árbitros. O MP de Gondomar entendeu arquivar as situações por falta de mais provas e perante a elaborada justificação apresentada por Torres à PJ para as escutas. Justificou como tendo ligado a Sanhudo apenas para fazer crer a pessoas que o acompanhavam no momento que estaria a interceder junto daquele árbitro, mas que, anteriormente, lhe tinha dito para nada fazer.


Funcionários da Câmara trabalharam em obra local

Das 81 certidões extraídas pelo Ministério Público (MP) de Gondomar no despacho final do processo Apito Dourado, Avelino Ferreira Torres aparece envolvido em mais duas. A mais curiosa tem a ver com suspeitas de peculato num segundo caso de alegada utilização de funcionários da Câmara Municipal do Marco de Canaveses em obras particulares. Concretamente em obras no edifício sede do Núcleo de Árbitros do Baixo Tâmega, presidido pelo árbitro Pedro Sanhudo. Recorde-se que por um caso de utilização dos funcionários públicos nas obras na sua quinta privada, o Tribunal da Relação do Porto condenou Torres, em Fevereiro passado, a dois anos e três meses de prisão, suspensos por quatro anos, pelo crime de abuso de poder.

Em três visitas ao Marco, entre 28 de Novembro e 11 de Dezembro de 2003, os inspectores da PJ detectaram os movimentos das obras e tiraram fotografias aos trabalhadores. Na última visita chegaram a ver que era o próprio autarca, Avelino Ferreira Torres, quem orientava as obras. Aos indícios deste processo remetido para o MP do Marco, junta-se uma conversa telefónica de Sanhudo com um amigo, segundo a qual estava ali uma "obra de luxo", tendo o autarca "desviado" areia, tijolo, mão-de-obra e a cobertura.

A derradeira certidão é relativa a alegadas influências sobre o árbitro de um jogo dos juniores do FC Marco com o Paços de Ferreira, por intermédio de Sanhudo. Está no MP de Paços de Ferreira."

in Jornal de Notícias

É este o estado da nossa Justiça: um processo, várias acusações e nenhum condenado!

Ratzinger coopera com abusos sexuais

O documentário "Crimes Sexuais e o Vaticano", que foi exibido no passado domingo pela rede de televisão britânica BBC, revela que o cardeal Joseph Ratzinger, hoje o Papa Bento XVI, ajudava a ocultar casos de abusos sexuais contra menores cometidos por padres católicos. O programa, que começou a ser produzido em 2002, colheu informações e depoimentos nos Estados Unidos, no Brasil e em Roma, tendo descoberto sete padres acusados de pedofilia.

Segundo o programa, durante mais de 20 anos Ratzinger era responsável por garantir que fossem cumpridos os termos de um documento secreto da Igreja, que dava instruções de como os bispos lidariam com acusações de abusos sexuais cometidos por padres nas suas paróquias. O documento de 39 páginas intitulado de "Crimen Sollicitationis" ("Crime da Solicitação", em latim), a que a reportagem teve acesso, data de 1962 e impõe um pacto de silêncio entre a a vítima menor, o padre que é acusado do crime e quaisquer testemunhas ou pessoas a par do ocorrido. Quem quebrasse esse pacto seria excomungado pela Igreja Católica.

Crimen Sollicitationis terá sido mantido no segredo da hierarquia católica durante todos estes anos, marcado como altamente confidencial. Fornece elementos detalhados, segundo a BBC, sobre como proceder em caso de "crime de solicitação de actos obscenos, por palavra ou gestos, no quadro da confissão" - mas também sempre que se verifique "qualquer acto obsceno externo (...) com crianças de ambos os sexos". Os críticos garantem que o documento servia apenas para evitar a eficácia de qualquer acusação judicial por crimes sexuais - e também para silenciar as vítimas.

Os representantes britânicos da Igreja Católica reagiram imediatamente, acusando a reportagem da BBC de ser "falaciosa" e garantindo que o documento não se refere a eventuais actos de pedofilia por parte dos padres, mas apenas ao "uso impróprio do confessionário". Esse aspecto da reportagem do programa Panorama é assim classificado como "completamente falso" pelo arcebispo de Birmingham, Vincent Nichols, que assumiu falar em nome do prelado de Inglaterra e do País de Gales. A BBC "deforma dois documentos do Vaticano e utiliza-os de forma enganadora, ligando o horror do abuso de crianças à figura do Papa", acrescentou o arcebispo. O programa Panorama garante ter encontrado sete padres acusados de abuso sexual de menores que vivem dentro ou perto da cidade do Vaticano - um deles com 13 acusações feitas por um júri dos EUA, sem que tivesse sido aconselhado pela hierarquia católica a regressar àquele país para ser julgado.

O padre Tom Doyle, demitido pelo Vaticano depois de criticar a forma como lidam com as denúncias de abusos, disse à BBC que o documento era "uma política escrita explicitamente para cobrir os casos de abuso sexual de crianças pelo clero, para punir aqueles que chamassem atenção para esses crimes dos membros da Igreja". Doyle, por sua vez, disse que tudo era controlado pelo Vaticano e que Ratzinger estava envolvido durante os anos em que o 'Crimen' foi reforçado.

O programa foi apresentado por Colm O'Gorman, que sofreu abuso de um padre quando era criança e que agora dirige a One In Four, uma organização irlandesa de caridade que apóia as pessoas que foram abusadas sexualmente.

domingo, 1 de outubro de 2006

Em crise


A situação do Jornal diário português, Público, está em crise e a cada dia que passa parece que esta aumenta de dimensão sem cessar e sem uma solução à vista! Pelo que me parece não será apenas o Público a entrar em crise nos próximos tempos mas outros jornais e revistas portugueses que lhe seguirão as pisadas. Porquê? Porque as quebras nas vendas não param de aumentar, apenas com algumas excepções "estranhas", e porque nada se faz para inverter este problema! As justificações podem ser muitas mas não trazem em si nenhuma solução viável para travar este cenário, que também é uma realidade noutros países da Europa. Para compreender esta situação a leitura disto ajudará!

Falando no caso português, o Público já há algum tempo que vem a aludir a uma reestruturação do jornal e do grafismo que seria feito por um conceituado profissional, tudo para tentar derrubar as quebras nas vendas que se fazem sentir de há alguns (muitos) meses para cá. Esta reformulação foi denominada "Projecto Leonardo" e consiste numa estruturação do jornal como se de uma folha em branco se tratasse. Até o "dinossauro", José Manuel Fernandes declarou que se iria demitir do cargo de director para dar lugar a alguém com sangue novo e espírito descansado para travar esta guerra de vendas. Mas até agora nada disso sucedeu! Também se pensou na fusão das redacções das edições electrónicas e de papel, com muitas outras ideias que foram sendo publicadas nos outros meios de comunicação social.

Com a descida nas vendas do Público, quem ficou a ganhar foi o Diário de Notícias que com uma nova cara desde Janeiro deste ano tem subido as expectativas mais baixas que se esperavam em relação a ele. Mas também o Diário de Notícias esteve à beira da crise no final do ano passado e início deste ano, no entanto foi, pelo menos aparentemente, ultrapassada com a reformulação do jornal, com novas matérias, com uma nova revista e uma tentativa de reedição de um conceito surgido há muitas décadas atrás. Não se fez grande alarido, não se colocou os profissionais em situações angustiantes de ansiedade e receio do futuro, e assim o jornal rejuvencesceu, procurou o seu caminho calmamente e sem bradar aos céus o que se estava a passar no seu seio, fossem lá os problemas que fossem! E é isso que o Público necessita, e que já devia ter feito desde o início deste processo. Ao anunciar uma reformulação no ínicio do Verão, ao voltar a anunciar (re-anunciando assim sendo!) essa reformulação em Setembro, coloca a situação do diário na arena pública, sem necessidade nenhuma, e sem levar qualquer vantagem aos profissionais que diariamente trabalham naquele jornal do grupo Sonaecom.

O problema do Público neste momento é que a reestruturação e redefinição de novos princípios e objectivos não estão suficientemente delimitados para que os que lá trabalham possam agir com profissionalismo. A incerteza do amanhã, a publicação quase todas as semanas de notícias novas relacionadas com o futuro do jornal fazem com que a vontade do rejuvenescimento tenha desaparecido nos últimos tempos. A última das notícias dita que o Público vai reduzir os salários para tentar prevenir alguns despedimentos, sem contar com os 26 profissionais que já foram convidados a sair. "Provavelmente, vamos propor a todos os trabalhadores da empresa que abdiquem de algumas das suas condições actuais para baixar custos sem ter de aumentar o número de pessoas de que teríamos de prescindir”, dita o director do jornal, José Manuel Fernandes. Com uma situação tão grave como esta, misturada com toda esta incerteza é natural que o jornal não melhore enquanto não houver confiança e estabilidade quanto ao seu futuro.

No entanto, e apesar de não ser o meu jornal de eleição, estou a torcer para que o Público saiba reagir de forma positiva a esta crise e que em 2007 surja um novo jornal, diferente, mais dirigido aos seus leitores e àquilo que eles pedem que ele seja! E que entre na luta pelo maior número de vendas de jornais no nosso país, porque isso é extremamente estimulante para os outros jornais diários portugueses. A ver vamos o que os próximos episódios denunciam do futuro deste diário...!

A galinha do ouro falso

No âmbito do processo "Apito Dourado" surgiu a suspeita de que os árbitros seriam subornados pelos dirigentes do Gondomar Sport Clube através da oferta de valiosos objectos em ouro. E hoje surgiu a notícia surpreendente de que o Ministério Público de Gondomar suspeita que o ouro oferecido aos árbitros acusados de corrupção desportiva é falso! Segundo a peritagem realizada pela Contrastaria do Porto nos artigos apreendidos pela PJ, existem vários lotes de peças com marcas de punção inexistentes ou referentes a fabricantes sem matrícula hà alguns anos, e por isso não poderiam circular no mercado.

Em causa está a apresentação de "marca de punção" falsa, o que pode significar a prática do crime de contrafacção de selos, cunhos, marcas e chancelas, punido pelo Código Penal com entre um a cinco anos de prisão. Para o procurador do MP de Gondomar, Carlos Teixeira, o principal suspeito do crime será o comerciante de ouro que fornecia os objectos aos dirigentes do Gondomar SC, encabeçados por José Luís Oliveira, vice-presidente de Valentim Loureiro na Câmara de Gondomar.

Os artigos em questão - que constam em sete lotes do ouro apreendido - foram descobertos em quatro buscas na fase inicial do processo, aquando das detenções de 16 árbitros, dirigentes do Gondomar e da federação. De acordo com informações recolhidas pelo Jornal de Notícias, o relatório pericial sublinha que os artigos de um dos lotes apresentam simulação de marca não registada na Contrastaria do Porto, enquanto os restantes seis apresentam quatro marcas de fabricantes cujas matrículas já tinham sido canceladas há anos. A mais recente tinha deixado de existir em 1997 e dá pela designação de José Pinto, Lda, enquanto a mais antiga data de 1990, dando pela marca de Universo Jóia. A circulação deste tipo de artigos no mercado pode indiciar tratar-se de ouro de inferior qualidade, já que não é submetido a controlo pelas entidades oficiais.

As leis deste país são mesmo inacreditáveis! Como se não fosse suficientemente grave existir corrupção no futebol e esta não ser penalizada,(muito pelo contrário), ainda se descobre que essa corrupção era feita com ouro falso e aí o Código Penal passa a não penalizar os corruptores mas sim os que lhe venderam o ouro, apenas por este ser falso e não ter um género de "licença de circulação". E agora vão ser presos os vendedores de ouro e os corruptos ficam em liberdade, a roubar mais uns quantos!