quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Tibete livre. Para quando?

Ao que parece a liberdade e justiça andam de mãos dados pelo mundo, e para ficar. Sobretudo lá para os lados da China, essa grande super potência que albergou no ano passado os famigerados Jogos Olímpicos. E que tanto manipulou durante este evento, mas isso já é conversa para outras falas. Do que quero falar agora é dos direitos humanos, algo desconhecido e interdito a este país. Do direito que julgam ter sobre um território que ilegalmente ocuparam por razões que apenas á racionalidade económica importa.

A última grande notícia que nos surge é que neste momento, nem sequer os estrangeiros podem entrar no Tibete. Como se fosse uma propriedade privada, com paredes até ao céu, gradeamento intransponível e gradeamentos sem chave. O que me ocorre quando sabemos deste facto é um medo tremendo do que possa lá ocorrer, para que os estrangeiros não possam entrar para presenciar a realidade. Aproximam-se os aniversários dos protestos chineses do ano passado, e esse é o medo dos repressivos chineses. E nós, ocidentais, o que fazemos? Pura e simplesmente nada. Mesmo quando nos surgem pela televisão e demais media, do que eventualmente se pode estar a passar num território ocupado injustamente por uma força anti-democrática. Os militares já estão bem presentes no território, com armas prontas a apontar aos dissuadores da paz, ou que simplesmente, querem viver no seu país de direito sem terem de ser violentados por aqueles que não têm qualquer direito de ali estar. E o que faz a comunidade internacional? Também nada. O costume.

Os chineses já dominam completamente o território tibetano desde 1950. Não será há tempo a mais? Não teremos todos direito ao nosso país, à nossa liberdade cultural e social, a um governo escolhido por nós? A podermos falar daquilo que nos der na "real gana", sem medos ou restrições, berrar contra as injustiças que nos olham de frente, e construir uma vida e um país em paz e sentindo-nos parte daquele espaço?

Quero vê-los como na fotografia: a sorrir com sentido, verdadeiramente. Será pedir muito?!

Lutar pela vitória

Sou fatalista. Gosto deste tipo de histórias e pessoas, que conseguem virar uma página errada da vida e dar a volta por cima. Talvez por serem um exemplo a seguir, ou por representarem os verdadeiros heróis da nossa era. Aqueles que conseguiram sair do fundo do poço, e escalando pelas paredes sujas e com poucos amparos, chegam ao cimo, à vida e lutam por uma nova, esquecendo a antiga e enfrentando a nova como verdadeiros lutadores. Por tudo isto gosto da história de vida de Mickey Rourke, e do seu novo filme. Que não precisa de óscares para vencer. Porque já o conseguiu no nosso coração. Obrigado por mais uma lição de vida, Mickey.

Gostei ainda mais de ler a notícia de hoje do DN. Encontrada aqui. E ainda mais do comentário, no mesmo diário, de Eurico de Barros. Que pode ser lido aqui. E tenho a certeza de que Mickey Rourke sentiu este filme como sendo a história da sua própria vida, da sua vitória, do seu virar de página. E isso é o mais importante! Para mim venceu o óscar, sem sombra de dúvida!

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Yeahh!!

Wall Street vive a melhor sessão num mês

« As bolsas norte-americanas fecharam a ganhar 4%, o melhor desempenho do último mês. Os títulos da banca foram os que mais impulsionaram. O índice industrial Dow Jones ganhou 3,32% para 7.350,86 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq cresceu 3,90% para 1.441,83 pontos. O índice S&P 500, por seu turno, valorizou 4% para 773,05 pontos, pondo fim a um ciclo de seis sessões de perdas.

A sessão ficou marcada pelas declarações do presidente da Reserva Federal norte-americana, Ben Bernanke, que disse hoje no Congresso que os bancos do país não precisam de ser nacionalizados, a menos que sofram novas perdas devido ao agravamento da situação económica.
Os títulos do sector financeiro estiveram, por isso, em destaque. As acções do Bank of America e do Citigroup ganharam mais de 20%, depois da presidente do "Federal Deposit Insurance", Sheila Bair, ter dito que os maiores bancos norte-americanos têm rácios de capital adequados. As acções das retalhistas Macy's e Home Depot também fecharam em alta, a avançar mais de 10%, depois de terem apresentado lucros relativos a 2008 que ficaram acima do esperado pelo mercado.»

in Diário Económico

A ver vamos se é desta que saimos do buraco. E ficamos mais optimistas e sem medo do trabalho e do futuro. E a vida volta ao normal!

I think I saw an angel tonight

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Verdade ou...

Tenho a mania das conspirações, sou mil vezes desconfiada como tantos sabem, e por isso nunca acredito apenas no visível aos olhos mas imagino sempre que há mais qualquer coisa. E sei que nem sempre as notícias surgem só porque sim. Porque os jornalistas se lembraram. Algumas surgem porque acabaram de acontecer, os casos imediatos, mas os casos já ocorridos há alguns anos, já falados há uns anos atrás que voltam, merecem toda a minha desconfiança. Falo do caso Freeport que tantas alminhas alberga como local de trabalho, e de José Sócrates. Há quatro anos o assunto veio à baila, em época de eleições, pois claro, e agora voltou ainda com mais força e com a promessa de ficar. A mim parecem-me épocas estranhas para o assunto voltar aos meios de comunicação, parece-me que há uma justificação para que isso tenha sucedido.

O caso veio à baila no semanário Sol, pela escrita da bajulada jornalista Felícia Cabrita. Ouvimos um telefonema do tio de Sócrates para a dita jornalista, gravado cladestinamente relatou o tio no dia seguinte para uma câmara de televisão, em que ele jurava a pés juntos que Sócrates tinha recebido dinheiro derivado à sua assinatura para o licenciamento do Freeport mas já não se lembrava de certos pormenores. Até contou, muito indignado, que tinha ficado chateado porque o sobrinho não lhe tinha dado nem um cêntimo, e ele tanto fez para que o negócio corresse bem. Ora, serei eu ou este telefonema é surreal demais para ser verdadeiro? Lembra-se dumas coisas e não de outras, mostra a sua indignação por não ter cometido uma ilegalidade. Mas que homem estranho é este? E ainda por cima diz isto tudo do sobrinho a uma jornalista, sobrinho esse que é primeiro-ministro e que pode ter a carreira arruinada por estas palavras sem ligação.

Uns dias depois surgia a notícia de que o tio tinha Alzheimer. No entanto, as televisões continuaram a dar credibilidade às palavras do tio, porque a necessidade de aumentar audiências é mais importante do que a verdade. Há uma semana li num jornal que o primo de Sócrates das artes marciais referiu que foi ele que criou o email de Sócrates, e aproveitando-se do seu nome e poder, comunicava com outros como sendo José Sócrates. Mas isso não ouvi nas televisões, talvez por não ser verdade ou então, com o mesmo grau de probabilidade, não aumentar as audiências o suficiente para ser colocado no ar.

Perante tudo isto, e sentindo uma enorme mágoa, apenas posso afirmar que já não acredito em 99% do jornalismo praticado em Portugal. Porque não sei se o que dizem é verdade ou apenas é bom para vender mais ou por outra razão qualquer que prefiro nem referir. E não compactuo com isso. Já tenho uma revista de cabeceira, estou indecisa entre a rádio, e em relação à televisão, por mais que tente escolher não sei qual a melhor porque são todas irritantemente medíocres. Em relação ao Sócrates, até acredito que ele tenha culpa no cartório mas pensem nas consequências disso... Manuela Ferreira Leite! Se não temos uma política estável, a crise irá afectar-nos de uma forma ainda mais violenta. Resolvam duma vez por todas o caso, ou parem de falar nele como se um cabelo encontrado no Freeport fosse prova de que ele se penteou por lá, e não que apenas andou por lá a passear (bela analogia... )! Porque já não há heróis como o Salgueiro Maia....

Tree

No outro dia falavam de manias e taras na televisão e perguntaram-me pela minha. Depois de um fatigante dia de trabalho não me apetecia pensar e a pergunta ficou sem resposta. Hoje, na viagem para o meu abrigo tive mais do que tempo para pensar numa resposta verdadeira, e descobri o meu outro eu.

Gosto de coisas limpas, não têm de estar arrumadas, mas não devem ter pó ou doutra forma passo a vida a espilrar. Gosto do silêncio quando no meu cérebro ecoam demasiadas coisas ao mesmo tempo, e irrita-me que falem comigo quando não me apetece ouvir. Sou demasiado práctica para estar a pensar em pormenores que não lembram ao diabo. Gosto de poupar electricidade e reciclar é o meu lema... sou vidrada!

Sobretudo gosto de falar e ser ouvida (e é tão difícil alguém ouvir-nos verdadeiramente ... para além do FS off course), não gosto de ser ignorada e nem olhada de lado só porque sim. Não gosto que me vandalizem o carro, o meu confidente, não gosto que as gaivotas o considerem uma sanita, não gosto que durmam enquanto eu conduzo. Não gosto que falem por cima das minhas palavras, não gosto dos parasitas da sociedade.

P.S.: Acho que afinal me vou fantasiar no Carnaval. Do meu verdadeiro eu, de manias e taras! Hoje não devia ter chegado tão sóbria a casa... ainda me faltam 3 dias de férias. Talvez amanhã!

P.S.2: E amanhã vou fazer a boa acção do ano/dia/mês... dar a fantástica viagem a Óbidos a quem a merece verdadeiramente, que não sou eu de certeza! Bolas...

P.S.3: Curto p.s.'s! Podemos falar do que nos der na telha!

P.S.4: Este é dirigido a alguém que vai ler isto, mas como não me ouve, apenas posso dizer que agora arranjei "um" que irias aprovar! Não queres mesmo conhecê-lo? Certeza absoluta? ...

P.S.5: José Merre morreu de cancro do pulmão...!

P.S.6: Talvez deva ligar ao meu amigo-de-longa data, rastozo, para o voltar a ouvir berrar com um sorriso verdadeiro "conseguiste!" ("ahahahah só não conseguiste uma coisa" lol?) e sentir que ele estava feliz por mim. Talvez porque me ouviu há muitos anos atrás, e ainda hoje se lembra, porque fica feliz por mim e eu preocupada por ele. Talvez seja isso uma amizade: uma reciprocidade de sentimentos que nunca são inabaláveis, por mais voltas que o mundo dê, ou cabelos que crescem de forma diferente. Vou-lhe ligar, não hoje mas amanhã. Já não vale a pena dar valor a quem não merece, apesar de... merecer. Isto deveria ser mais fácil há medida que vamos crescendo e já cresci o suficiente.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Let My Love Open The Door

Sempre acreditei que o amor podia abrir muitas portas que entretanto se fecharam. Hoje tenho as minhas dúvidas... já nada as pode abrir, quando lhes tiram a chave e a atiram para um penedo demasiado alto para ser alcançado. Hoje pelo menos já consigo aceitar a realidade, amanhã não sei. Amanhã começará mais um fim-de-semana em Coimbra, e tudo voltará. Quem me dera trabalhar 8 dias por semana non-stop.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Já foi...

Não há dia que não pense na cerimónia. Não questiono em que dia do calendário calhará. Por receio, falta de coragem não perguntava à única pessoa que ainda me poderia informar. Porque já não sei o que dizer, porque só quero esquecer que isto alguma vez aconteceu, porque quero esquecer de que já não há quem entenda a minha linguagem. Porque estou cansada, e cada vez mais magoada da minha insignificância, das saudades que não batem no outro. E hoje, numa intensa pesquisa descobri que a cerimónia mais importante já decorreu, num fatídico fim-de-semana dia 24. E eu não sabia, e não fui, e não testemunhei aquilo que de mais importante gostava de presenciar. Porque não chorei lágrimas de felicidade pelo sorriso do outro. Porque já passou e agora já não tem importância. E eu, mais do que ninguém, sei que o tempo não volta para trás. Por mais que eu peça.

P.S.: E como, meses passados, tinhas razão em tudo aquilo que professavas. E como já não sei que palavras usar para me exprimir, e ninguém entender ou querer entender a minha linguagem. Talvez porque não existem pessoas iguais e substituíveis. Não existem mesmo, pelo pior dos meus pesadelos. E já não sei que mais fazer, sentir, pensar ou imaginar porque o tempo não volta para trás e não me posso redimir no que fiz. Irracionalidade estúpida.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Off bitch

É tempo de parar de dizer "desta água não beberei" porque parece que o destino está empenhado em me mostrar que tudo aquilo que dizia que não faria, estou a fazer. Sem controlo. Fuck me... como é possível tanta irracionalidade e estupidez...!! Estou demasiado irritada hoje... dia off...
Desde o Verão que me acontecem estas coisas... esta é a segunda, estou com medo da terceira mas ela virá porque parece que tenho mesmo de aprender a lição. E amanhã é um novo dia.