quarta-feira, 20 de julho de 2016

Uma viagem com 4 portagens


Sei que nada disto faz com que o desejo avance, ou se concretize com mais rapidez. Se tudo aquilo que desejamos se concretizasse com a velocidade que ambicionamos éramos todos muito mais felizes. E a vida seria tão mais simples que nem daríamos por ela passar.
Ontem, antes de me deitar, olhei para a metade da droga que habitualmente tomava à noite e reparei que tinha sido reduzida, que tinha conseguido. Apesar de já andar a tomar a mesma dose reduzida há já 15 dias, só ontem fiquei a olhar para o ¼ de comprimido e pensei onde já estava no meu percurso. E dei graças a mim, ao mundo, e aos deuses por me terem ajudado a chegar aqui! O feito não é assim tão glorioso porque ainda só estamos na primeira parte de uma estrada que tem 4 portagens, e há medida que vamos avançando as portagens tornam-se mais complicadas, os medos voltam a surgir e a parca esperança diminui por inerência a tudo o resto. Mesmo numa luta assoberbada com o desejo que é maior do que muito do que existe no mundo, tenho a noção de esta vai ser uma luta contra mim própria, os meus devaneios e medos infundados, a vida, o stress, as relações interpessoais que não existem. E tenho algumas dúvidas, que já não deveriam existir, se sairei vitoriosa!...
Para ajudar a autoconfiança ou algo do género, hoje inscrevi-me num fórum de mães ou que estão a tentar ser progenitoras. Num primeiro impulso achei que estava a fazer bem porque isso iria dar-me força, puxar por mim, ficar feliz com as alegrias dos outros e, em simultâneo, sonhar com as minhas. Aquelas nas quais estou a pensar - se chegarem - por obra do destino ou do criador ou da luta que estou a travar contra mim própria, ou da junção de todos estes fatores. Depois do impulso de me inscrever, de ler “mãe de x ou y”, “vou ter x ou y daqui a z semanas” achei que tinha dado um passo maior do que as minhas pernas. Fiquei feliz por todas as histórias, dúvidas, preocupações que li mas senti aquela inveja que caraterizo como boa, aquela em que apesar de sentirmos inveja, que pressupõe ser um sentimento mau, desejamos aos outros o mesmo que a nós na mesma situação.

Mas antes tenho de clarificar o porquê de isto ser tão difícil. Muitos dirão que é apenas difícil da minha cabeça mas a verdade é que mesmo engravidando, nunca terei uma gravidez normal. A verdade, aquilo que tenho de aceitar a 100% mas que ainda está numa fase de 10% de negação, será contado em breve. Quando tiver coragem e clarividência mental para o fazer.