sexta-feira, 28 de março de 2008

The Kill today in Coimbra

Hoje jantar e toda a tradição de Coimbra. Para comemorar o que já não tem sentido festejar, mas que não deve ser descurado.

Alcool moderado. Amigos qb. Animação a dobrar. Amor em toda a sua extensão.

P.S.: E a ilustrar nada melhor que uma boa música e um bom vocalista (ou será um vocalista bom...?). Yeah!

domingo, 23 de março de 2008

Proibido!

António Costa Santos publicou o ano passado o livro "Proibido!", um género de estudo ou lembrança das proibições do Estado Novo. Quando ouvi falar da nova "lei" sobre piercings lembrei-me de ter visto esta livro e de, na altura, ter soltado muitas gargalhadas. Como agora... com a diferença de que o Estado Novo já lá foi! Ou pelo menos foi o que me disseram...!


"O beijo na boca era qualificado de acto exibicionista atentatório da moral. Levado para a esquadra, ou para o posto da GNR, o delinquente beijoqueiro era identificado, autuado em pelo menos 57 escudos (um valor variável, em função de critérios que hoje nos escapam), e passava invariavelmente pela cadeira do agente-barbeiro, de onde saía de cabeça rapada, máquina zero. Tratava-se, afinal, de defender a moral castradora da ditadura e as leis e regulamentos multiplicavam-se, tentando enquadrar o que não tinha enquadramento.

Ficou célebre a portaria n.º 69035 da Câmara Municipal de Lisboa, datada de 1953, que, dado verificar-se "o aumento de actos atentatórios à moral e aos bons costumes, que dia a dia se têm vindo a verificar nos logradouros públicos e jardins e, em especial, nas zonas florestais de Montes Claros, Parque Silva Porto, Mata da Trafaria, Jardim Botânico, Tapada da Ajuda e outros", determinava à polícia e aos guardas florestais "uma permanente vigilância sobre as pessoas que procurem frondosas vegetações para a prática de actos que atentem contra a moral e os bons costumes".

E estabelecia que o artigo 48.º fosse desta forma cumprido:

"1.º - Mã­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­o na mão 2$50

2.º - Mão naquilo 15$00

3.º - Aquilo na mão 30$00

4.º - Aquilo naquilo 50$00

5.º - Aquilo atrás daquilo 100$00

6.º - Parágrafo único - Com a língua naquilo 150$00 de multa, preso e fotografado."

In Proibido! de António Costa Santos

quinta-feira, 20 de março de 2008

Paciência, quanto custas tu?

No meio de trabalhos e de prazos dificilmente cumpridos fico insuportável. Quem me conhece sabe que tem duas hipóteses, ou me dá muita atenção ou o melhor é não falar comigo. O sorriso dá origem a um olhar rabujento e a voz torna-se dura. Digo o que não quero e ouço o que os ouvidos teimam em não entender. Egoísta como poucas vezes, julgo que mais ninguém anda preocupado, angustiado e sofrido com alguma coisa. Esperneio, grito e clamo por atenção e sinto-me magoada por ninguém entender que é nestes momentos que mais preciso de carinho. Autêntica adolescente a julgar que o mundo inteiro está contra ela.

O orgulho, depois desse tempo e quando quase todos nos voltaram as costas, fartos de tanta rabujice, persiste porque sentimo-nos confiantes e seguros mas nunca quando alguma coisa importante fica em jogo. Aí não pode haver orgulho. Ele deve cair por terra e dar origem a outros sentimentos mais humanos. Respirar fundo e entender o que a realidade nos ofusca é uma solução. E a melhor.

Porque há coisas que nos merecem sempre um sorriso, e por mais que queiramos tentar viver sem elas, tudo ficaria azedo e demasiado escuro. E a vida deixaria de ter tanto sentido. Eu não saberia dar o passo seguinte. Porque há coisas demasiado importantes, como os amigos, aqueles verdadeiros, pelo menos no nosso coração. Aqueles que não queremos que fujam, aqueles de quem sentimos saudades. São eles que dão cor a tudo o que nos rodeia, mesmo quando a realidade está ofuscada pela incerteza. Eles valem o sorriso sincero e uma voz suave e dócil...! E eu não tenho muitos, mas os que tenho valem bem a pena!!

P.S.: Hoje fui a um café com sala de fumadores e sala de não fumadores. E a segunda estava vazia, ao passo que a primeira apenas tinha meia dúzia de mesas livres! Afinal nem tudo é tão mau quanto parece...! Como será que a vocalista dos Portishead vai actuar no Coliseu? Conseguirá não acender um cigarro? Alguém devia informá-la da nova lei portuguesa não vá a rapariga ser presa antes de entoar a primeira palavra do concerto...digo eu!

terça-feira, 18 de março de 2008

And the winner is... João Paulo Wadhoomall

É apenas uma fotografia mas "fala" bastante. Lembro-me do dia em que foi tirada (até sei a data exacta), do sítio onde estávamos, porque há coisas que não se vêem todos os dias e nos fazem meter o cérebro a trabalhar. E como que ficam gravadas um ano depois. Quando a colocaste no dA, tivemos pelo menos duas ideias sobre textos onde a podíamos colocar... e nem eram más ideias. Quando é que os pomos em prática?

E porque há momentos importantes que merecem ser lembrados para sempre, quero aqui registar que esta fotografia não ganhou um Prémio de Fotojornalismo (mas quem sabe se não podia...), mas teve um Daily Deviantion (DD) numa das maiores galerias de arte online do mundo. Isto significa que esteve em destaque para o mundo inteiro, um feito que todos os aficcionados na fotografia ambicionam. O engraçado é que há uma semana atrás, o vencedor falava de um israelita que tirava umas fotografias fantásticas, e que era muito bom e ganhava muitos DD, e todos elogiavam o trabalho dele. E insisti, contrariei esses pensamentos derrotistas, "se calhar só custa ganhar o primeiro DD, depois..." E aqui está! Parabéns João Paulo Wadhoomall (tens é de arranjar um apelido mais fácil, este é complicado)!

P.S.: Se não fosse o... qualquer coisa (o das rastas) não a tinhas tirado porque já tínhamos ido embora. Vi este casal no momento em que o fui chamar e estava a voltar para trás para junto de vocês. Ou seja, agradece-lhe também a ele e ao sono do sem-abrigo, que era a musa dele naquele momento.

quarta-feira, 12 de março de 2008

Enquadramento

Encontrei-a perdida num cd de mp3 abandonado há uns tempos. A paisagem (ou terá sido a música) tornaram o momento inesquecível e merecedor de uma publicação!

sexta-feira, 7 de março de 2008

Expliquem-me como se eu tivesse 5 anos, ok?

Há qualquer coisa que me está a escapar nesta historieta da greve de amanhã dos professores e dos agentes disfarçados que foram ás escolas.

Há quem diga que foi o governo que os mandou, tipo pide, mas não acredito que eles sejam estúpidos a esse ponto (era lógico que isto iria ecoar a fundo nos meios de comunicação social). A questão é: se não foi o governo, quem foi? E para obter estas respostas, ao invés de todos os dirigentes desmentirem que a ordem saiu das suas bocas ou mãos, devíamos averiguar quem foram os disfarçados que foram às escolas: quem são, que ordens receberam, de quem as receberam, e porque as receberam! Será pedir muito conseguir uma resposta a estas perguntas?

Gostava de ter algumas certezas neste país camuflado com inverdades! A ver vamos no que vai dar amanhã...