quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Sangue do meu sangue

Dizem que a vida é como um gelado... temos de o aproveitar e saborear rápido ou ele derrete-se num ápice. E esta é uma verdade. Há dias, semanas, momentos que nos fazem parar, estagnar no meio da noite e do dia, e geralmente são estes os momentos que mais magoam e que mais se prolongam nos tempos.

Até por via das circunstâncias já pensei muito no meu sangue, esse tal que tem uma disfunção que me irá obrigar a ter cuidados redobrados para o resto da vida. Já o aceitei assim, custou mas já fiz as pazes com ele e seremos eternamente os melhores amigos. Mas talvez esse facto genético não tenha sido obra do acaso. Nos últimos tempos, e já há muitos anos que tenho sentido o mesmo, que noto que quem tem a correr nas veias o mesmo sangue que o meu tem demonstrado que não são, não pensam e não agem como eu. Nada de estranho e este não será caso único. Muito menos irei julgar as pessoas em questão, gosto demasiado delas para o fazer além de não merecerem. Mas, na realidade, isto entristece-me porque não consigo com as pessoas do meu sangue ter uma ligação, um amor que ultrapassa chatices, que evita palavras duras e frases destruidoras contra mim sem que sequer antes as tenha atacado. Sinto-me triste, como se me tivessem tirado algum do chão que sinto debaixo de mim.
Gostava de ser feliz também com elas, com as pessoas do meu sangue, os mais novos e os mais velhos, mas estes últimos retiram os primeiros. Óbvio. Ou pelo menos por enquanto, enquanto a idade não lhes permite ver além do que está à frente. 
E sinto-me triste e sozinha por não ter sangue igual ao meu ao meu lado... sei que não estão, tenho a certeza, a noção da realidade. Não os vejo e muito menos os sinto. Mas também tenho a noção e certeza de que tenho de conseguir ser feliz sem eles, há muitos que conseguem. E por mais que isso possa ser triste e infeliz e frio da minha parte, há momentos em que não podemos deixar de ver a realidade tal como ela se nos apresenta. E a minha é assim, sem que eu contribuído para isso, sido injusta ou ter feito algum ataque. Tenho a consciência tão limpa em relação a isso que a tristeza ainda aumenta mais.
Sejam felizes, com vocês não consigo sê-lo por mais que tenha tentado, e já tentei tantas mas tantas vezes, e por isso vou tentar sê-lo sem vocês.
E Feliz Natal.

Sem comentários: