segunda-feira, 7 de abril de 2008

Maus prognósticos

O aumento da criminalidade em Coimbra não é um facto novo. Pelo menos para mim. Basta deambular pelas ruas da cidade, e observar quem mais anda por ali. Nem temos de fazer juízos porque basta um olhar, para perceber que não são pessoas de confiança. E não falo de ciganos, africanos ou trabalhadores de leste, mas portugueses.

Já várias vezes me questionei sobre o aumento da criminalidade, o crescente número de notícias nos jornais regionais que dão conta do mesmo, e nunca consegui justificar. Até hoje, quando li mais uma notícia. De Quinta para Sexta-feira da última semana, mais de uma dezena de carros foram assaltados, e três dos quais furtados. Na mesma noite ainda se verificaram desacatos na Ladeira das Alpenduradas e tiroteiro na zona do Monte Formoso-Ingote. A possível explicação para tudo isto, vinha numa caixa cinzenta a seguir a esta notícia:

"Apesar do volume delituoso, registado numa única noite, ninguém na polícia estranha o que está a passar-se, dada a sucessão vertiginosa de crimes, de pequena e média dimensão, com que diariamente lida. Porquê? Pois, simplesmente porque, em dois meses, uma quantidade invulgar de pequenos e médios criminosos voltou a instalar-se na cidade. Tudo porque, com a entrada em vigor da nova legislação penal, foram libertados dezenas de condenados a penas inferiores a cinco anos, desde que tivessem cumprido pelo menos um ano de cárcere. Aliás, a sua presença é facilmente detectada pelos agentes da PSP e, de uma forma geral, por todos os conhecedores dos meandros da marginalidade coimbrã, em locais como o Terreiro da Erva e outros locais da Baixinha e dos bairros mais problemáticos."

Solução? Voltar à lei antiga, o crime só vai parar quando os criminosos sentirem as consequências dos seus actos, de outra forma isto irá tornar-se numa autêntica rebaldaria. E mais agentes da autoridade nas ruas de Coimbra. É estranho mas nunca os vejo, ao contrário do que acontecia em Lisboa e no Porto, e talvez uma solução para o problema passe exactamente por aí. E vem aí a Queima das Fitas, nem gosto de imaginar o que não pode acontecer!

2 comentários:

Sabbah disse...

Só com o reforço do policiamento se pode fazer face ao crime! Câmaras de vigilância?! Como podemos ver em qualquer telejornal, bastam uns capuzes para contornar essa dita solução...

Mooncry disse...

Nem no Porto nem em Lisboa senti o medo de uma sexta-feira a noite na Sé Velha (e mesmo no largo e não numa das ruelas...), em Coimbra.

A cidade está perigosa e o pior é que não vês polícias nas ruas... nada! E agora vem com a treta das câmaras de vigilância. Até podem dar resultado (metem medo a alguns...) mas aposto que as ruas mais necessitadas não vão ter direito a elas...! E cheira-me que alguém vai ganhar muito dinheiro com a instalação dessas ditas câmaras...a ver vamos :p

Polícias para a rua masé!! *